Posts tagged EUROCLEAR INTERBANK SCREEN

IF YOU ARE A CURRENT or FORMER BANKER WITH KNOWLEDGE OF THE COUNTERFEIT ABN AMRO BANK DOCUMENT OCG, CONTACT US.

0

IF YOU HAVE INFORMATION or HARD EVIDENCE REGARDING THE COUNTERFEIT ABN AMRO BANK DOCUMENT OCG, CONTACT US AT THE SKYPE NAMES ON TOP OF THIS PAGE FOR CONFIDENTIAL CONVERSATION.
OCG = ORGANIZED CRIME GROUP

….

2008.12.10_txtmessagemkting

SOME MEMBERS OF THE DONATO VIGNOLA OCG OCTOPUS

0

IF YOU HAVE EVIDENCE REGARDING ANY OF THE BELOW PARTIES PROVIDING or USING COUNTERFEIT ABN AMRO BANK DOCUMENTS, CONTACT US AT THE SKYPE NAMES ON TOP OF THIS PAGE.

….

LINKEDIN PROFILE
DONATO VIGNOLA

retraité chez livingstoneholding.s.a.

Current
  1. livingstoneholding.s.a.

DONATO VIGNOLA LINKEDIN PROFILE IS LINKED TO THE LINKEDIN PROFILES OF THESE 2 FAMOUS PURVEYORS OF COUNTERFEIT ABN AMRO BANK DOCUMENTS

https://www.linkedin.com/pub/donato-vignola/64/b30/4

 

Jaime Sabbi

Celestino Silva

Autónomo

CELESTINO SILVA PROVIDED THE COUNTERFEIT ABN AMRO BANK DOCUMENTS THAT CONTRIBUTED TO MICHAEL ROTHENBERG BEING SENTENCED TO 3 YEARS IN USA PRISON

….

Michael Rothenberg

MICHAEL ROTHENBERG: HUSBAND, FATHER WITH 3 CHILDREN

Former Judicial Candidate Sentenced To 3 Years In Prison

http://www.dailyreportonline.com/id=1202637693339/Former-Judicial-Candidate-Michael-Rothenberg-Sentenced-to-Three-Years-in-Prison?slreturn=20140228150421

Michael Rothenberg, a three-time candidate for the DeKalb County Superior Court bench, on Friday was sentenced to three years and five months in prison.

Based on allegations that he defrauded investors and used their money to fund his political campaign, Rothenberg in September pleaded guilty to a charge of federal wire fraud. In addition to the prison term, U.S. District Court Judge Steve Jones sentenced Rothenberg to three years of supervised release and ordered him to pay $800,000 in restitution.

“This defendant committed fraud at the very time that he was asking the voters of DeKalb County to trust him,” U.S. Attorney Sally Quillian Yates said in a press release. “Now he will spend time in federal prison.”

Rothenberg, 36, a former part-time judge in DeKalb Recorders Court, said as part of his September plea that he had devised a fraudulent investment scheme that duped a Colorado energy company’s executives of more than $1 million, then used $250,000 to finance his 2010 campaign for a seat on the DeKalb County Superior Court.

After Colorado-based Winterhawk Energy and Development Co. sued Rothenberg during his 2010 judicial campaign, he lost a runoff election to opponent Courtney Johnson.

Yates’ release acknowledged assistance from the DeKalb district attorney’s office. DeKalb prosecutors had charged Rothenberg with six counts of felony theft in connection with the investment scheme. A county grand jury indicted Rothenberg midway through his 2012 campaign against DeKalb Superior Court Judge Gail Flake. The DA’s office dropped those charges after Rothenberg’s federal guilty plea.

Summarizing remarks that Rothenberg made in court, his lawyer, Lawrence Delan, said, “He’s accepted responsibility … and he is sorry for any harm that was caused and … is looking to serve out his sentence, make amends and start again.”

….

http://www.justice.gov/usao/gan/press/2014/01-10-14.html

Former Candidate For DeKalb County Superior Court Sentenced

FOR IMMEDIATE RELEASE
January 10, 2014

ATLANTA – Michael Rothenberg has been sentenced on a charge of wire fraud for defrauding investors and using their money to fund his political campaign for a seat on the DeKalb County Superior Court.

“This defendant committed fraud at the very time that he was asking the voters of DeKalb County to trust him,” said United States Attorney Sally Quillian Yates.  “Now he will spend time in federal prison.”

Ricky Maxwell, Acting Special Agent in Charge, FBI Atlanta Field Office, stated: “Today’s sentencing of Mr. Rothenberg will not only hold him accountable for his criminal conduct but will provide him with time to contemplate those actions and the harm that he caused others and, ultimately, to himself as well.”

According to United States Attorney Yates, the charges and other information presented in court:  Michael Rothenberg, of DeKalb County, Ga., deceitfully persuaded the owners of WinterHawk Energy and Development Corporation (WinterHawk) into investing a total of $1.35 million.  Rothenberg represented that the invested money would be placed in a trust account, controlled by him, which would be used to fund the trading of notes by large financial institutions.  These notes, according to Rothenberg, would be split into “tranches,” and a ten percent profit would be earned each time a note or “tranch” was traded.  Rothenberg told the investors that the investment involved no risk.

In fact, no investment existed and Rothenberg used the money paid by WinterHawk to fund his political campaign for a seat on the DeKalb County Superior Court as well as to pay personal expenses.  He ultimately was unsuccessful in his bid for a judgeship.  During the scheme, Rothenberg placated the investors’ concerns and lulled them into believing that the investment opportunity was real by emailing them fabricated bank statements, which made it appear as if the money they had invested remained in his trust account and that Rothenberg himself was wealthy.  From time to time Rothenberg returned some of the money to the investors in response to their demands, and claimed falsely that he was making up for the shortfall by personally investing his own money.  But Rothenberg did not invest his own money, and in fact spent the remaining proceeds – approximately $800,000 – without the investors’ knowledge or consent.

Rothenberg, 36, was sentenced today by United States District Judge Steve C. Jones to three years, five months in prison to be followed by three years of supervised release, and ordered to pay restitution in the amount of $800,000.  Rothenberg was convicted on these charges on September 11, 2013, after he pleaded guilty.

This case was investigated by the Federal Bureau of Investigation.

Assistant United States Attorney Steven D. Grimberg prosecuted the case.  The DeKalb County District Attorney’s Office provided valuable assistance.

….

HERE ARE THE 4 PEOPLE WHO SET UP MICHAEL ROTHENBERG WITH THE COUNTERFEIT ABN AMRO BANK DOCUMENTS. WHY HAVE THEY NOT BEEN ARRESTED, CONVICTED + SENTENCED, TOO?

FERNANDO (Father)  + ALBERTO (Son) ANDRES

 FERNANDO ANDRES ALBERTO ANDRES LAMANA

RALPH COHEN + CELESTINO SILVA

From: Promudejar GMAIL <promudejar@gmail.com>
Date: Mon, Jan 10, 2011 at 5:53 PM
Subject: Last resource
To: Michael Rothenberg <attyny@gmail.com>
Cc: Roy <nrcp4435@gmail.com>, Celestino <ctino8@gmail.com>, Ralph <ralphpbtrading@gmail.com>

 

Dear Mr Rothenberg

 

We are the consultants of Mr Ralph Cohen, aplicant of your SBLC.

We are getting in touch with you directly because:

1st) Mr Roy states that he is going to pay to ABN-Amro Bank N.V. for the blocking costs of your MT-760; swift blocking that was done some days ago. Nevertheless no funds have been sent.

2nd) Too much days have been past and ABN-Amro Bank N.V. is thinking about calling to DTC USA and/or declare this situtation of non-payment to the North-American legal entities.

3rd) We also disknow the Trading Platform that is dealing with the SBLC issued by ABN.

 

We insist on the fact that we are getting in touch with you as the last resource before letting ABN-Amro Bank N.V. act as themselves.

 

If we do not receive your answer in 2 hours we will call you, my mobile is +34620205086

 

Looking forward for your understanding, best regards

 

 Alberto Andrés Lamana
DFASOCIADOS
Miembros del Comité Español de la ICC
Ingeniero Industrial

TEL: +34 620205086
www.dfasociados.com

 FAKE 500M EUROS ABN AMRO BANK SBLC


DO YOU KNOW MONEY LAUNDERERS NAMED DONATO VIGNOLA + JOSE MARIA TEIXEIRA FERRAZ JR ?

0

IF YOU HAVE EVIDENCE REGARDING DONATO VIGNOLA + JOSE MARIA TEIXEIRA FERRAZ JR (a major Brazilian money launderer) + THE OCG CREATING COUNTERFEIT ABN AMRO BANK DOCUMENTS, CONTACT US AT THE SKYPE NAMES ON TOP OF THIS PAGE.
OCG = ORGANIZED CRIME GROUP
….

2000

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc1505200011.htm

 

Mesmo condenado cinco vezes por estelionato no Brasil, é remota a possibilidade de o empresário José Maria Teixeira Ferraz Jr. ser extraditado para o país. Ele está preso em Miami e foi indiciado sob a acusação de lavagem de dinheiro para o narcotráfico.
Ele aparece numa fita em poder do FBI supostamente negociando propina com um advogado.
A ficha criminal do empresário no Brasil é extensa. Entre 1980 e 1993, ele acumulou no Brasil pelo menos 19 processos criminais, 4 condenações na área cível e 5 na área criminal (sendo que essas últimas, por estelionato).
A situação dele no Brasil é considerada legal porque os prazos das condenações já venceram. Dos 28 processos (cíveis e criminais), apenas um não foi arquivado. Existe ainda um inquérito, de 1996, em fase de investigação.
Somando todos os processos nos quais Ferraz Jr. foi condenado, ele deveria ter cumprido no Brasil cerca de sete anos de prisão.
Isso não aconteceu ou porque ele não foi localizado pela polícia em tempo hábil ou porque o processo demorou a transitar.
A polícia atribui a não-execução dos mandados ao “curto prazo” da prescrição. Em cada uma das condenações, a prisão não passou de dois anos e, de acordo com o Código Penal, o mandado se extingue em quatro anos. Depois disso, o processo é arquivado.
As acusações contra Ferraz Jr. vão desde a suposta venda de “ouro da Suíça” a financiamento de empréstimos no exterior.
O único processo contra Ferraz Jr. que ainda não foi arquivado é de 1993, mas que prescreveu em 20 de março deste ano. Neste caso, o empresário foi acusado pelo publicitário Maurício Ferreira do Nascimento de pagar cerca de R$ 80 mil com um cheque do Banco do Estado da Rondônia de uma conta que já estava encerrada.
Ferraz Jr. foi considerado culpado e condenado a um ano e dois meses em regime fechado.
O promotor responsável pelo caso, José Francisco Cagliari, espera encontrar, em uma brecha jurídica, a possibilidade de pedir um prazo na prorrogação.
O destino do processo será decidido pela Justiça da 13ª Vara Criminal de São Paulo, que vai analisar o pedido do promotor e julgar se ainda há base jurídica para não pedir o arquivamento.
O promotor trabalha com duas possibilidades para conseguir a reabertura do caso. A primeira está baseada na prisão de Ferraz Jr. nos EUA. “Se ele foi preso antes da prescrição do processo, posso pedir a interrupção do prazo”, diz Cagliari. Mas Ferraz Jr. foi preso em 26 de março, seis dias após o vencimento da prescrição.
Outro caso que interessa ao promotor é um inquérito contra o empresário aberto em 1996 pelo empresário Manoel dos Reis Filho, que afirma ter sofrido um golpe de R$ 245 mil. “São dois casos de reincidência do mesmo delito: estelionato”, diz Cagliari.
Outro brasileiro preso em Miami com Ferraz Jr., também por suspeita de “lavagem” de dinheiro para o narcotráfico, é o empresário Oscar de Barros.
Réus em um mesmo processo, os dois empresários foram condenados, em 1986, a um ano e oito meses de prisão por “transações obscuras” envolvendo ouro.
Uma das vítimas, o empresário Donato Merlino, afirma que Oscar de Barros e Ferraz Jr., como proprietários da Goldnac Corretora de Mercadorias, vendiam ouro que supostamente estava na Suíça e teria pertencido a militares brasileiros.
Merlino e seu primo Donato Vignola depositaram cerca de R$ 160 mil (valor atualizado) para a empresa. “O dinheiro era uma forma de comprovar o nosso poder de compra. É lógico, nunca recebemos nada”, afirma Merlino.

2001

http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u20463.shtml

 

O brasileiro José Maria Teixeira Ferraz foi condenado nos Estados Unidos a 43 meses de prisão pela confissão de tentativa de lavar dinheiro do narcotráfico.

Teixeira Ferraz tenta fazer um acordo para sair da cadeia ou evitar ser condenado em outro caso do qual é acusado, o que aumentaria o seu tempo de prisão. Além da tentativa de lavar dinheiro do narcotráfico, ele é suspeito no caso Metrored (suborno de autoridades da Prefeitura de São Paulo) e no caso do dossiê Caribe.

Segundo o FBI, Teixeira Ferraz é um dos suspeitos de idealizar e negociar o dossiê Caribe. Em gravação do FBI, ele disse ter “a papelada”. O dossiê é um conjunto de papéis sem autenticidade comprovada a respeito de supostas contas no exterior de uma empresa com sede em paraíso fiscal que pertenceria ao presidente Fernando Henrique Cardoso, ao ministro da Saúde, José Serra, ao ministro Sérgio Motta (Comunicações) -morto em 1998- e ao governador paulista Mário Covas -morto no começo de março.

FHC e Serra negam. Covas também negava. Motta morreu antes de o caso aparecer.

PF e FBI
Por intermédio da Justiça norte-americana e do FBI, a polícia federal dos EUA, as autoridades brasileiras querem tomar o depoimento de Ferraz e de outras 14 pessoas envolvidas com o dossiê. A PF tem especial interesse em ouvir Oscar de Barros, Luiz Cláudio Ferraz Silva, Honor Rodrigues da Silva, João Barusco e Ney Santos.

Oscar de Barros, sentenciado na semana passada a 78 meses de prisão por tentativa de lavar dinheiro para o narcotráfico, é também suspeito de idealizar e confeccionar o dossiê. Ele nega.

Como revelou a Folha em abril de 2000, Ferraz Silva é um empresário que diz ter intermediado a venda do dossiê a Leopoldo Collor, irmão do ex-presidente Fernando Collor de Mello, e ao ex-senador Gilberto Miranda. 
Os dois teriam repassado os papéis ao ex-prefeito Paulo Maluf. Leopoldo, Collor, Miranda e Maluf negam envolvimento na operação.

Ferraz Silva, Honor, Barusco e Santos dizem que apenas intermediaram a venda do dossiê. Mas o FBI e a PF descobriram que, além de intermediários juntos a políticos e empresários, eles deram parte do dinheiro que teria comprado o dossiê. Partes do dossiê se mostraram falsas. A PF tenta provar que é tudo falso.

Agora, Ferraz Silva, Honor, Barusco e Santos tentam fazer um acordo com o governo brasileiro. A PF suspeita que eles tentaram lucrar com a venda do dossiê. Receberiam um prêmio maior que a parte que cada um deu para comprar os papéis, caso fossem revendidos por valor superior ao pago originalmente.

A PF descobriu que Honor havia sido condenado por estelionato. Honor e seus sócios Barusco e Santos criaram uma clínica de emagrecimento via internet que vendia medicamentos sem efeito, segundo investigação da PF e do FBI. O FBI levanta eventuais crimes cometidos por eles nos EUA.

Oscar de Barros e José Maria Teixeira Ferraz foram presos porque passaram a ser grampeados pelo FBI a pedido de promotores de Nova York que investigavam o caso Metrored. Nessas gravações, descobriu-se uma tentativa de lavagem de dinheiro para o narcotráfico, o que Teixeira Ferraz admitiu e Barros negou.

2003

http://www.istoe.com.br/reportagens/12448_OS+FUNDOS+DO+DINHEIRO+SUJO+

 

O banco FonteCindam recebeu um socorro especial do Banco Central após a desvalorização do real, em janeiro de 1999, que resultou em um prejuízo de
R$ 600 milhões aos cofres públicos. Pego de calças curtas pela mudança na política cambial, o FonteCindam foi acusado de ter comprado dólares em condições especiais, à semelhança do Marka. Seu presidente na época era Luiz Antônio Gonçalves, ex-funcionário do BC e amigo de longa data de vários integrantes da equipe econômica do então presidente Fernando Henrique Cardoso. Passados quatro anos, documentos levantados pelo delegado José Castilho Neto e pelo perito Renato Barbosa mostram que o FonteCindam, por intermédio de seu fundo de investimento, o Cindam Brazil Fund, ajudava a lavar o dinheiro da agência do Banestado de Nova York. De acordo com a papelada reunida pela Polícia Federal, no dia 16 de abril de 1997, por exemplo, o fundo do Cindam recebeu do Banestado de Nova York U$ 152 mil em sua conta no Bank of Butterfield International no bairro de Manhattan. A bolada saiu da conta do Banestado da Trade Link Bank, uma empresa offshore aberta pelos diretores do Banco Rural nas Ilhas Cayman, no Caribe.

 

Os documentos mostram que o Cindam não era o único banco a operar por intermédio de fundos no esquema Banestado. Muitos dos fundos que receberam aporte do banco já tiveram seus nomes envolvidos em conhecidos escândalos nacionais. Formado por consórcio que comprou empresas telefônicas, o Opportunity Fund – do banco Opportunity de Daniel Dantas –, que opera nas Ilhas Cayman, também recebeu vários repasses da agência do Banestado de Nova York, que totalizaram cerca de US$ 1,5 milhão em 1997. O dinheiro era remetido por uma rede de doleiros, donos das contas no Banestado, que enviavam os recursos para a conta do fundo em bancos dos EUA ou para o Midland Bank, nas Ilhas Cayman. Curiosamente, o Opportunity Fund está sendo investigado pela Justiça desse mesmo paraíso fiscal sob a acusação de fazer várias operações fraudulentas. Já o fundo do Banco Pactual, o Pactual Orbit Fund Ltd., mandou uma bolada maior: pelo menos U$ 5 milhões nos anos de 1996 e 1997, quando o principal dirigente da instituição era Luís César Fernandes. Numa única tacada, o Fundo de Investimento do Pactual recebeu U$ 2 milhões numa conta no Bank of NYC. Grande parte do dinheiro do fundo do Pactual era enviada pelo doleiro Marcelo Tarsasantchi, dono da conta 7175 no Banestado. Consultados por ISTOÉ, especialistas em lavagem de dinheiro afirmaram que os fundos de investimentos foram usados para internar, por intermédio de operações na Bolsa de Valores, parte dos U$ 30 bilhões de recursos que saíram ilegalmente do País através do Banestado. A PF acredita que, ao contrário das operações descritas acima, em que o dinheiro saiu do Banestado direto para as contas dos fundos, na maioria dos casos toda a bolada rodava antes dezenas de offshores. Após percorrer várias contas, o dinheiro finalmente chegava a um fundo de investimento num paraíso fiscal. Sob o pretexto de fazer investimentos a curto prazo no Brasil, esses fundos conseguiam finalmente internar fortunas.

 

Nas operações do Banestado, foram utilizados até mesmo renomados fundos dos EUA. Fundada no início da década de 90, a empresa Atrium Capital se tornou uma das instituições financeiras mais respeitadas da Califórnia, ao se especializar no investimento do capital de países emergentes. Uma investigação do Ministério Público dos EUA concluiu, no entanto, que o fundo de investimento da empresa, a Atriumn Capital – Limited Partners, foi utilizado para ajudar a lavar o dinheiro da conta Tucano no Chase Manhattan Bank de Manhattan. A promotoria distrital de Nova York descobriu que, após o fechamento da agência Banestado em Nova York, em 1999, o fundo da Atrium e outras empresas estabelecidas em paraísos fiscais enviaram para a Tucano U$ 200 milhões nos últimos três anos. O nome da empresa americana aparece em vários documentos da Beacon Hill, escritório especializado em lavagem de dinheiro que abriu a conta Tucano. Montado ao lado do conglomerado do Citibank em Nova York, a Beacon Hill fechou suas portas em fevereiro, após ISTOÉ ter trazido à tona a remessa ilegal dos U$ 30 bilhões para o Exterior por intermédio do Banestado.

 

De acordo com a papelada, a que ISTOÉ teve acesso, somente no ano
de 2001 o fundo de investimento da Atrium enviou U$ 2 bilhões para a Tucano, uma subconta da conta do Beacon Hill no Chase Manhattan.
Os documentos mostram que o dinheiro era creditado da conta número 100174903483 no Citibank de Nova York. A Tucano era alimentada ainda por contas da própria Tucano no Uruguai e no Paraguai e por contas
de empresas offshore montadas em paraísos fiscais, em vários bancos
de Nova York. Por exemplo, só da conta da Astecca Financial Corp. (offshore das Ilhas Virgens Britânicas), no Connecticut Bank of Commerce, a Tucano recebeu U$ 4,2 milhões em 2001. A conta número 100174903483 ganhou uma bolada ainda maior: U$ 9,6 milhões. As investigações do Ministério Público dos EUA mostram que o Atrium
e outros fundos eram usados para transportar o dinheiro da Tucano
para paraísos fiscais e depois trazê-lo de volta ao Brasil por meio de operações na Bolsa de Valores.

 

Segundo a PF, o dinheiro que transitou pela agência nova-iorquina do Banestado era movimentado por corretoras de valores e por fundos de investimentos estrangeiros, o que reforça ainda mais a tese de que parte dos recursos da remessas era lavada em operações nas Bolsas de Valores. A PF suspeita que fundos ajudaram também a lavar parte do dinheiro da máfia dos fiscais do Rio, revelada no início do ano por ISTOÉ. A desconfiança se deve ao fato de que os sócios da empresa Coplac – que abriu a conta de Rodrigo Silveirinha e dos demais fiscais no Discount Bank da Suíça – são procuradores de mais 200 fundos de investimento no País. Coincidentemente, o doleiro Xaim Zalczberg, um dos sócios da Coplac, é primo de Dani Zalczberg, o milionário doleiro paulista que tem quatro contas no Banestado de Nova York. As coincidências não param por aí. As contas do esquema do doleiro operavam o dinheiro do fundo do Pactual e do Opportunity. Segundo especialistas em lavagem de dinheiro, os fundos de investimentos, cujas operações somente são registradas na Bolsa, foram utilizados para internar os recursos enviados para o Exterior pelo Banestado em operações fraudulentas.

 

“Os fundos tornaram-se o principal mecanismo para trazer de volta, por meio de operações de resgate na Bolsa, todo o dinheiro sujo que saiu ilegalmente do País. Mais de 80% dos investimentos estrangeiros que entram são recursos da corrupção e do crime organizado do próprio País”, disse a ISTOÉ um ex-operador da Bovespa, que pretende entregar todo o esquema de corrupção aos integrantes da CPI. Os especialistas acreditam que uma resolução do Banco Central, denominada Anexo 4, abriu o caminho para a lavanderia no País. Assinada na década de 90 durante o governo Collor, a resolução queria atrair capital estrangeiro a curto prazo e teve suas regras ainda mais flexibilizadas no governo FHC. O Anexo 4 mantém o anonimato dos responsáveis pelos fundos estrangeiros que investem no Brasil. Tudo isso mostra que os três mosqueteiros escalados para comandar a CPI – o senador Antero Paes de Barros (PSDB-MT) e os deputados José Mentor (PT-SP) e Rodrigo Maia (PFL-RJ) – terão uma missão espinhosa pela frente.

 

Nos EUA, os primeiros punidos

 

Justiça começa a ser feita no escândalo do Banestado. Não no Brasil, mas nos Estados Unidos. Numa entrevista coletiva no escritório do promotor distrital (district attorney) de Manhattan, Robert Morgenthal, foi anunciado, na quinta-feira 26, o indiciamento da empresa Beacon Hill Service Corporation, que funcionava como intermediária na abertura de contas em paraísos fiscais e em esquemas de lavagem de dinheiro. Morgenthal disse que, somente entre 2001 e 2002, a firma movimentou remessas totalizando US$ 3,2 bilhões – em apenas 40 contas que tiveram quebra de sigilo pelas autoridades americanas. A Beacon Hill foi a responsável pela abertura da conta camuflada “Tucano” (número 310035), no banco J.P. Morgan Chase, que recebia transferências ilegais de dinheiro. Dali eram feitas remessas, ainda em nome da Beacon Hill, para contas de políticos brasileiros, como Ricardo Sérgio Oliveira – ex-caixa da campanha do PSDB – e João Bosco Costa – ex-diretor do Previ, conforme ISTOÉ denunciou. Mencionou-se também na coletiva o nome do ex-governador Paulo Maluf, que está sob investigação do escritório do promotor distrital, em processo de lavagem de dinheiro. “A pedido de autoridades brasileiras, também estamos rastreando o movimento de remessas ilícitas, feitas por Paulo Maluf”, disse Morgenthal a ISTOÉ.

 

A Beacon Hill é apenas uma pequena parte de uma investigação enorme, como disse o promotor. Foi a mesma empresa que cuidou das 18 remessas para contas em paraísos fiscais feitas pelo presidente da Ponte Preta de Campinas, Sérgio Carnielli, que somam US$ 615 mil. Somente na Tucano, a Beacon Hill, que funcionava, desde 1994, em Manhattan, movimentou cerca de US$ 28 milhões, entre 1996 e 1998. Essas informações publicadas por ISTOÉ chamaram a atenção de Morgenthal, que lê português. O promotor serviu num navio de patrulhamento durante a Segunda Guerra Mundial, que esteve estacionado no Recife. “Infelizmente, a falta de prática me fez perder muito da fluência em português. Mas ainda consigo ler”, disse. Sabendo desse interesse pelas investigações, ISTOÉ colocou o escritório do promotor em contato com os agentes da força-tarefa da Polícia Federal, o delegado José Castilho e o perito Renato Barbosa, que estavam fazendo investigações em Nova York. O casamento deu certo: em pouco tempo, o sigilo de um total de 14 contas do Banestado foi quebrado. A troca de informações entre as autoridades americanas e brasileiras trouxe grandes progressos nas investigações. A primeira empresa a cair foi a Beacon Hill, fechada em 4 de fevereiro. Os fundos que ainda restavam em suas contas – US$ 13 milhões – foram confiscados pelo District Attorney. Pode-se dizer que muitos políticos, empresários, traficantes e doleiros brasileiros perderam dinheiro com a medida. “A investigação sobre a Beacon Hill continua. Essa empresa fez inúmeras transações ilegais envolvendo indivíduos, firmas laranja e casas de câmbio na América do Sul”, disse Morgenthal.

 

Os paraísos fiscais serviam de refúgio perfeito para os depósitos de remessas ilícitas. Mas, depois dos ataques de 11 de setembro, o governo americano vem forçando a abertura na omertá da máfia financeira desses países. “O governo e as instituições financeiras da Suíça também têm prestado grande colaboração em nossas investigações. É só uma questão de tempo para que surjam novos indiciados”, acredita Morgenthal. Uma outra fonte do escritório da Promotoria Distrital disse a ISTOÉ que com a Ilha de Jersey, por exemplo, as relações entre as autoridades americanas são excelentes. Essa menção leva ao caso de Maluf, acusado de ter enviado para a ilha cerca de US$ 80 milhões, supostamente pagos pela construtora Mendes Junior, que teria obtido preferência em obras em seu governo.

 

ISTOÉ revelou como funcionava a operação de remessas do ex-prefeito: a empreiteira pagava nove sub-empreteiras que enviavam o dinheiro para contas de laranjas em Foz do Iguaçu. De lá eram feitas remessas a uma offshore na conta Campari. Dali várias somas saíam para a Suíça e depois eram depositados numa conta de uma agência do Deutsch Bank, em Nova Jersey. Para a soma voltar ao Brasil, o Deutsch tentou “comprar” a Eucatex – empresa da família Maluf. O promotor Silvio Ferraz, ao tomar conhecimento das provas arregimentadas nas investigações da PF, deu início a um inquérito. A subscrição das ações da Eucatex pelo Deutsch foi imediatamente cancelada. A empresa pediu concordata. O valor da compra? Seria, coincidentemente, US$ 89 milhões. E é nesta operação toda – que implica um banco proibido de operar desse modo pelo Banco Central americano – que o promotor de Manhattan está focalizando sua lupa.

 

Mas não será somente esse caso que vai ocupar os sherlocks de Morgenthal. O pessoal do District Attorney está interessado também no velho caso MetroRed – aquele do cabeamento de São Paulo com fibras ópticas, onde a empresa americana é acusada de subornar autoridades municipais paulistanas com US$ 1,5 milhão. Naquela oportunidade, foram levantados os nomes dos traficantes e lavadores de dinheiro Oscar de Barros e José Maria Teixeira Ferraz – condenados na Flórida por esses crimes e envolvidos no famoso Dossiê Cayman. Nos Estados Unidos, a empresa que corrompe autoridades estrangeiras está violando o Foreign Corruption Practice Act, lei que terminou por punir a MetroRed. Do outro lado da transação – aquele que recebeu o dinheiro – estaria Flávio Maluf, segundo disse Oscar de Barros em depoimento. No Brasil, o caso, mais uma vez, acabou em pizza.

 

Mas o que poderia acontecer com Paulo Maluf se o promotor Morgenthal provar que ele cometeu algum crime? Uma fonte
do escritório da promotoria disse a ISTOÉ: “Dependendo da
violação, podemos até pedir a extradição de Paulo Maluf.” Não
se imagina que isso aconteça de fato, já que o político, além de cidadão brasileiro, tem mais de 70 anos. Mas, com certeza, garante
a fonte, seus bens em território americano podem ser congelados
e mesmo confiscados. “Além, é claro, de que forneceríamos farto material ao governo brasileiro para que as autoridades do País
façam justiça”, diz o promotor.

 

RAY CARRASCO IDENTIFIED DONATO VIGNOLA AMONG THE PEOPLE INVOLVED IN SOPHISTICATED, INTERNATIONAL MONEY LAUNDERING NETWORK

IN 2009, RAY CARRASCO TOLD CHAIRMAN OF US HOUSE INTELLIGENCE COMMITTEE ABOUT PB TRADING MONEY LAUNDERING.

12_10_silvestrereyes

DONATO VIGNOLA: MEMBER OF ITALIAN MAFIA OCG ISSUING COUNTERFEIT ABN AMRO BANK DOCUMENTS FOR SOPHISTICATED FRAUD + MONEY LAUNDERING

0

LINKEDIN PROFILE
DONATO VIGNOLA

retraité chez livingstoneholding.s.a.

Current
  1. livingstoneholding.s.a.

 

 

COMPANY DIRECTOR PROFILE
DONATO VIGNOLA

Born: 1947
Nationality: ITALIANA

Country: ENGLAND
Posttown: LONDON
Postcode: EC1V 2NX

Country of residence: SWITZERLAND

CONTRACT USED TO PROVIDE COUNTERFEIT ABN AMRO BANK DOCUMENTS
lettre RDV Abn

contract PBtradingTristanGillotDortan1

contract PBtradingTristanGillotDortan2

contract PBtradingTristanGillotDortan3

contract PBtradingTristanGillotDortan4

contract PBtradingTristanGillotDortan5

contract PBtradingTristanGillotDortan6

 

PB TRADING EUROPE LTD – UK CRIMINAL SHELL

05894428

Current Directors and Secretaries

Current Officer Name Appointed Current/Dissolved Resigned Total
Mr Donato Vignola 03-10-2006 1 0 1

There is no current secretary information for this company.

Previous Directors and Secretaries

Previous Director Name Appointed Resigned Current/Dissolved Resigned Total
DUPORT DIRECTOR LIMITED 02-08-2006 03-08-2006 298 34119 34417
Mr Salvatore Vignola 03-10-2006 01-08-2008 0 1 1
Ms Daniela Fidanska 11-09-2006 03-10-2006 12 6 18
Ms Daniela Fidanska 11-09-2006 03-10-2006 13 4 17
Previous Secretary Name Appointed Resigned Current/Dissolved Resigned Total
DUPORT SECRETARY LIMITED 15-10-2008 0 1 1
DUPORT SECRETARY LIMITED 02-08-2006 509 34548 35057
DUPORT SECRETARY LTD 15-10-2009 0 1 1
Mr Sebastiano Saia 11-09-2006 6 4 10
Mr Thomas Frank Griffiths 28-06-2008 8 7 15

SEBASTIANO SAIA DESCRIBED AS N’DRANGHETA FINANCIAL ADVISOR

http://www.independent.co.uk/news/uk/mafia-gang-linked-to-drug-arrest-man-held-in-pizza-parlour-faces-extradition-over-huge-heroin-haul-1425323.html

DETECTIVES investigating a multi-million pound heroin deal believe a man arrested in a Brighton pizza parlour was a leading member of an Italian Mafia gang.

 

Sebastiano Saia, who was born in Sicily, was arrested on Friday night as he sat with his girlfriend in the Pizzaria Marina.

He now faces extradition to Italy to face charges in connection with smuggling 500kg of heroin into his country from Turkey.

A spokesman for the Rome- based central anti-drugs agency said it was claimed that Saia was a leading member of the Calabrian mafia, the N’drangheta.

‘He is one of the biggest catches we have ever made. You have to realise the size of the drugs charge against him. It is 500 kilos – half a tonne – it’s enough to addict a whole nation.’

He said Saia was in England as an ‘ambassador’ for N’drangheta to track down pounds 2bn in cash which had gone missing. The money disappeared when police cracked another drugs smuggling ring.

Saia, 47, also described as a financial adviser, was arrested in a joint operation between Metropolitan Police officers and drugs squad detectives from Rome. He appeared at Bow Street magistrates’ court on Saturday on the extradition warrant, which said he was wanted in Italy in connection with drug smuggling. He was remanded in custody while Italian lawyers complete the paperwork before his extradition.

Scotland Yard said the extradition warrant was acted upon on behalf of the Italian government and Saia was sought in connection with drug smuggling in Italy. He was allegedly a senior member of the gang involved.

A businessman in the area, who would not give his name, said: ‘He came into my place about two weeks ago. He just came in to introduce himself and say hello. He said to me ‘I am the new owner of the pizzeria’. We only spoke for a couple of minutes. He seemed quite ordinary and was quite nice to me.’

RAY CARRASCO IDENTIFIED DONATO VIGNOLA AMONG THE PEOPLE INVOLVED IN SOPHISTICATED, INTERNATIONAL MONEY LAUNDERING NETWORK

 

IN 2009, RAY CARRASCO TOLD CHAIRMAN OF US HOUSE INTELLIGENCE COMMITTEE ABOUT PB TRADING MONEY LAUNDERING.

12_10_silvestrereyes